segunda-feira, 27 de Junho de 2011

D e v o l t a , m a r !


I'm falling harder than I've

ever fell before
I'm falling fast while hoping
I'll land in your arms
'cause all my time is spent here
longing to belong
to you

I dream of circles perfect
eyes within your face
my heart's an open wound that
only you'd replace
and though the moon is rising
can't put your picture down
love can be frightening when you fall

And when the time is right, I
hope that you'll respond
like when the wind gets tired
the ocean becomes calm
I may be dreaming but I'm
longing to belong
to you

sexta-feira, 25 de Fevereiro de 2011

A sul tudo de novo

'Depressão' era a palavra que todos os dias me assolava a mente. Levantar da cama passou a parecer obra do mais célebre e conhecido solteiro mas chifrudo do mundo - Lúcifer. Entrar no carro rumo a Carnaxide o caminho para o calvário. Entrar no contentor e ligar o portátil uma moca com pregos fustigando em ritmo dance music a tomateira - especificando: alternadamente um testículo e depois o outro.


A propósito de dance music, vamos dar banda sonora à coisa... carrega no play:


Agora que já abanas o capacete e a minha pseudo deficiência anímica já ficou para trás, deixa-me retomar a história... descia a A8, bastante antes das 8AM, deprimido como de costume e escutava a mesma melodia que tu agora.
E confesso-te - a ti mas só a ti - que cheguei a roer-me de inveja por não ter sido eu o gajo que já não vai fazer mais um boi nesta vida por ter inventado uma música com 2 palavras. É pá... mais uma daquelas que deixa com facilidade qualquer portugês que já foi da classe média e agora está na baixa, na merda.

E então decidi fazer uma chamada telefónica:
- vi ontem na net que na próxima quinta feira o mar está grande e o vento fraco de NE. Queres vir ao algarve (recuso-me a alinhar naquilo dos 2 'Lês') e metemos o surf em dia? Já não surfo vai para cima de um mês...
- pá... vou a barcelona em trabalho - esta foi a 1ªtentativa.

- Compadre, tou a dar as últimas. Vens surfar ao algarve comigo as últimas 48 desta presente semana?
- Não estás pior que eu de certeza... arrancamos 4ªfeira à noite ou quinta pela fresca ok?

E eis que te estou a escrever nesta bela sexta feira 25 de Fevereiro de um qualquer quarto de hotel de Lagos. Estou durido do dedo mindinho do pé direito ao sobrolho esquerdo, e tenho a cara a latejar de tanto sol nestas últimas 48h. Mas tanto surf... e do bom. Um tubo para lá de fabuloso levou-me ao além e foi por lá que dei cabo das minhas 100 prometidas virgens - isto apesar de todo roto e de educação com algum cariz católico. Depois uma quantidade obscena de ondas bem surfadas - que ofuscaram de sobremaneira as dezenas de mal surfadas - o meu ego inchou. Temos surfado 6h por dia um pouco por todo o lado - Zavial, Beliche, Baleeira, Luz e Tonel - e amanhã já regressamos a casa.

Volto no entando de peito inchado e com aquela cor de gente feliz.
A que surfa.

quinta-feira, 23 de Dezembro de 2010

“Nunca é tarde para se ter uma infância feliz” *


 fotografia de Morgan Maassen

A infância tem os cabelos soltos ao vento e areia colada por entre os dedos dos pés.

Chega-me assim à cabeça esta frase, inteira, de uma só vez. É uma ideia simpática, fico contente de se acercar assim em palavras que soam bem. No fundo é de ti que a recolho, és tu que neste momento ma inspiras.

Observo-te apaixonado… como um tolo – passe a redundância. Sigo-te as voltas que desenhas por entre dunas e que interrompes aqui e ali para te debruçares, dedicada, a alguns troncos e paus para a fogueira que eu sugeri e que tu já começas a colocar em prática. Distraído vou lutando com o fato de neoprene; tento desembaraçar-me de uma manga que me agarra sanguinária, aparentemente perco, mas meio descontrolado lá a consigo soltar. A minha imagem, absurda e frenética, em contraste violento com a leveza da tua… tão leve que segues assim descalça

(toda tu tão descalça)

de sorriso a confundir-se com a brisa da tarde: sereno, genuíno, intemporal.

Penso que a praia também se apaixona por ti! Em carícias de vento envolve-te e (des)compõe-te o cabelo devolvendo-to num desalinho de menina que te deixa, aos meus olhos, ainda mais bonita.

Finalmente consigo retirar o fato e visto qualquer coisa. Sinto, no entanto, que mesmo depois desta troca de indumentárias o surf permanece em mim. Uma espécie de película residual, quase invisível, quem sabe de propriedades anti-gravitacionais, que me deixa acompanhar-te na leveza, na ausência de peso, que me disfarça de ave marinha.

E voamos, de facto, feitos miúdos pela praia até conseguirmos acender, finalmente, o nosso lume.
Sentados na areia, junto ao fogo, assistimos a um espectáculo inesperado, surpreendentemente, à nossa frente, a madeira incendeia-se multicolor. A água do mar, que impregnou a madeira de sais, confere cor às chamas em jeito de pozinhos de perlimpimpim - labaredas amarelas e azuis ardem divertidas e é nos teus olhos que vejo, agora, soltarem-se faúlhas laranja e verdes… mesmo antes de te beijar.

* - título de uma música do Jorge Palma 

terça-feira, 7 de Dezembro de 2010

Crónica dos Bons Malandros


Pedro, já vi que a tua aplicação da velha máxima do Alferes Santos não serve a todas as tarefas delicadas, como por exemplo à descrição de idas memórias.

Na altura aceitei a superioridade da tua argumentação dado que, além de te saber rapaz de alguns recursos surfísticos, sacar dos ensinamentos do Alferes Santos é golpe para deitar por terra três programas inteiros das Escolhas de Marcelo, dois discursos do ex-presidente Jorge Sampaio e meia opinião do Rui Santos! Mas a aplicação em vão das suas dogmáticas saídas tem consequências tão nefastas como querer emendar o excesso de sal no arroz, deitando-lhe água a meio da fervura… Nesse sentido, de conter os danos, repor a verdade dos factos e mais um ou outro ponto fora da ordem do dia que me ocorra entretanto, venho relembrar que o dono desta 5’0” noseless de quem o nosso co-blogger Magalhães fala, é outra das particularmente caricatas personagens com que nos cruzámos no Magreb e não o “todo sorrisos”.

Trago para isso à baila o Furriel Fonseca, instrutor de recruta do Alferes Santos, que permaneceu na história dos Caçadores Especiais bastante aquém dos seus reais feitos, como por exemplo o ensinamento de tudo o que o filósofo e artesão Alferes sabia. Reza a história que o furriel meliciano, versado na Arte da Guerra de Sun Tzu quanto no Dicionário Vernacular das Caxinas, se viu prisioneiro num povoado nas imediações de Bogotá. Desarmado das suas Lucilias (uma AK47, mais limpa e lustrada que o serviço de Natal Vista Alegre para 48 pessoas da Rainha de Inglaterra, uma pistola Beretta, com igual trato mas com o acréscimo sentimental de ter sido herança familiar da parte do tetra-avô paterno, assim baptizadas depois de ter assistido à mestria com que BB King tocava a sua, numa ida edição do Festival de Jazz de Minde), salvou-se pelo canivete suíço, comprado aos americanos na base das Lajes (e que de suíço pouco tinha, excepto a cor de chocolate de leite, fruto da ferrugem que o cobriu por inteiro mesmo antes de chegar à fronteira entre a Colômbia e a Venezuela).

Habituado a enfrentar a morte olhos-no-escuro-por-baixo-do-capuz, mas incapaz de suportar a própria consciência por deitar lixo que não num Ecoponto, guardou o canivete atrás da orelha, mal sabendo que tal gesto lhe havia de salvar a vida. Ao fim de pouco mais de duas horas em solo colombiano, quando se julgava perfeitamente integrado no seu disfarce de traficante, não chegou a ver o fundo do copo de shot de tequila na tasca “El Gringo”. Acordou no meio da selva, nos braços de uma mulher que lhe humedecia os lábios com um pano e a quem ainda teve tempo de perguntar o nome. “Ing-quê?” foram as suas últimas palavras antes de mais uma soneca induzida à socapa...

Mas voltando ao que interessa, os seus captores, conhecedores de várias técnicas de tortura medievais mas incapazes de discernir as diferenças entre uma verruga e aquele pedaço de ferrujem atrás da orelha, permitiram-lhe manter consigo a chave da sua soltura. Quando as tropas americanas o encontraram ainda inanimado entre nos destroços bombardeados do seu cárcere, foi o dito canivete que o identificou como português ao invés de nado e criado na Colômbia, como aparentava. É que, sabiam os G.I. Joes, estes canivetes eram usados como as tatuagens pelos Yakuza, mas entre um pequeno grupo de pescadores da terceira, irmãos de mar e de sangue. Sim, o canivete veio das Lajes, mas pelas mão de um desses pescadores dissidente, que em último recurso o jogou como aposta numa mão perdedora de poker… Como tantas outras vezes, o furriel ganhou.

Ora, se ainda aí estás e como eu já perdeste o sentido desta prosa, concluo então a coisa respondendo à tua “dedicação às tarefas delicadas como complemento a melhor afinação visual” com o sábio dizer com que o Furriel Fonseca culmina todo e qualquer raciocínio: “diz-me como é que aplicas o wax, dir-te-ei se completas as rasgadas”. Sei que para bom entendedor seis mil caracteres são mais do que suficientes, mas como para o Blogger é mais do que os quatro mil e noventa seis permitidos nas caixas de comentários, esclareço que é como quem diz: se essa confusão de identidades é táctica para invocares a necessidade de, quanto antes, juntares a mesma pandilha e renovares os objectivos com que as ditas memórias foram criadas, rechaçando assim este possível laivo de Alzheimer como a padeira de aljusbarrota aviou os nuestros hermanos, desde já te informo que tenho na manga dois ou três destinos de igual monta.

E desta vez, por causa das coisas, terras de picos triangulares!


Fotografia de Chris Burkhard, 2066


sábado, 4 de Dezembro de 2010

Nostalgias

Não consigo dizer que 'a minha vida se complicou' apesar de ser um excelente móte para a justificação obligge para esta ausência literúrgica. Num país onde 700.000 pessoas desesperam por trabalho seria ofensivo.
Longe vão os dias passados ao sabor dos ventos e das marés. As tardes de conversa de circunstância com os demais comparsas de ondas desapareceram. A adrenalina de escrever em linhas de água salgada foi substituída pelo marasmático quotidiano do trabalha-dor comum. De quando em vez regresso a esse passado que inexplicávelmente me parece tão distante e sonho. E há dias resolvi agarrá-lo e surpreendi o meu chefe com um sorriso malicioso e uma deixa do género:
'- na próxima quinta feira vou estar doente'.
Logo pela fresca meti-me no meu pequeno yaris de serviço e em vez do azimute asfáltico rumo à metrópole, percorri esta estrada de terra acima ilustrada, com a parede azul lá ao fundo que almejei abraçar por semanas a fio mas claro está - com Murphy sempre em grande - invariávelmente o mar começava a piorar à sexta feira, fim de semana de meter dó e depois começava a melhorar à segunda feira enquanto me afundava em filas do IC19 e/ou A5.


As suspensões batiam a seco nas pequenas crateras, o meu coração acelerava - não com pena do mini toyota mas sim - por desesperar por um bafo de sorte e pela incerteza. Ao chegar ao fim do arco-íris respirei fundo e agradeci...


O frio depressa se rendeu a meus pés e deliciei-me por três longas horas só mas feliz. Não apareceu ninguém... nem durante nem depois. Apenas com a minha nova quad e um pato arraçado de mergulhão. Cantei, dancei e entubei... e tomou-me claro está por parvinho pois não liguei nadinha ao peixe, apenas à água. Por volta das 16h ainda fui ao dentista fazer um check-up - pois foi essa a minha desculpa laboral - e nem a broca me demoveu da certeza de ter sido uma aposta acertada.

E então deu-me vontade de imortalizar essas horas aqui no cantinho abandonado pelo Rudas_Ex_Desempregado algures no longínquo ano de 2009... LOL

quarta-feira, 1 de Dezembro de 2010

Cinquenta, cinquenta.

Never Falling Pinto a esbanjar estilo em Tifnit

Estava em condições de jurar que tinha a melhor prancha do mundo e tinha acabado de o perceber. Que me perdoassem a imodéstia. Tinha até algumas dúvidas que o artesão que a encontrou dentro do bloco de foam, tivesse destreza suficiente para repetir o feito. Ouço muitas vezes dizer aos escritores que, aquando do processo de escrita de certas obras, tem a clara percepção de que estas têm vontade própria e que estes servem apenas de veículo transmissor para algo que não controlam. Ora eu achava que se tinha passado o mesmo com o meu foguete e que a mão humana não teria condições de o replicar.

Rails, bottom, deck, espessura, largura e comprimento, tudo tão certo. Mexendo um milímetro em qualquer destas variáveis e estou em crer que, embora não passasse directamente à categoria de toco, não teria a mesma magia. Até a escolha pelo amarelo se revelava a mais acertada pois estava a torná-la mais rápida.

Era mais ou menos neste processo de apreciação que me encontrava quando ele passou por mim dentro do seu meio-fato carregando a sua meia-prancha em direcção àquele mar de meio-metro completamente glass. É certo que naqueles últimos dias os line up´s que partilhávamos com os locais marroquinos não eram propriamente compostos por pranchas branquinhas-cor-de foam nem por neoprenes nipónicos topo de linha, mas entrar com metade de um longboard pareceu-me já claramente exagero. Desejei-lhe boa sorte em pensamento não conseguindo evitar um sorriso de troço que me foi devolvido de forma espontânea pelo próprio e pela sua meia dentição.

Aqueci e fui para a água juntar-me Pedro para mais uma sessão de esquerdas na terra das direitas, para infortúnio dos regulares da comitiva. O pico quebrava mesmo em cima de uma rocha e, embora pequenas, as ondas insistiam em quebrar prefeitas. Fui directo e dirigi-me sem rodeios para o pico. Ao meu encontro vinha uma do set na qual já desenhava linhas mentais mesmo antes de começar a remar, mas à segunda braçada o meu estado zen-ó-contemplativo foi interrompido por uma ladainha marroquina que me chegava da direita.

-“Tajine Salameco Salamalon!!!” – berrava quem mais senão o artista do cinco zero noseless a dropar em cima da pedra. Puxei a prancha para lhe dar a passagem e fiquei a assistir por trás a um surf competente até meio da onda onde a secção mais mole o obrigava a enterrar o nose e ao subsequente espalho inevitável. Ria-se e voltava para o pico a remar a mil à hora para me dar a volta e ficar à espera da sua próxima meia-onda. Ao voltar das minhas apanhava-o a ele nas suas curtes. O espalho era sempre certo, mais atrás ou mais à frente, mas o que é certo era que até lá chegar ele fazia umas curvas bonitas que evidenciavam conhecimento profundo do equipamento. Não conseguia evitar rir e pensar nas vezes em que tinha culpado pranchas e quilhas pela minha falta de unhas.

Serviu-me Tifnit para perceber que para além de espessuras comprimentos e larguras, o drive do equipamento também se alimenta da vontade do surfista, e que esta não há shaper que dimensione.

domingo, 24 de Outubro de 2010

Making a short story long


Hoje surfei. Outra vez.

Camané, A Guerra das Rosas