segunda-feira, 5 de maio de 2008

Carneirinhos contemplativos em terreno baldio com vista para o Mar


Edward Hopper, "Rooms by the sea"

"Há aquelas noites em que nos deitamos e que mesmo cheios de sono não conseguimos dormir.

Sabes como é, não é?

Por vezes parece que o frenesim insiste em nos acompanhar, ou que a inquietude se instala, ou ainda que somos invadidos por todos os pensamentos do mundo de uma só vez.

Nessas noites, mais do que à contagem de carneirinhos a pular a cerca, costumo recorrer às maiores ondas que já surfei... e volto a dropá-las.

Sabes? Adoro mesmo aquela sensação de olhar para baixo e, convicto, seguir caminho!

Nessas minhas fantasias tenho ainda a mais-valia de tudo suceder em câmara lenta, dando espaço para um deleite infinito e absoluto desses, que costumam ser apenas, breves instantes.

Acho que, ao fim ao cabo, o que vou buscar neste exercício nocturno é aquela confiança de que fazemos uso para um drope bem sucedido, a mesma que nos faz acreditar, nos momentos que o precedem, na nossa capacidade para o realizarmos.

E isso é arma quanto baste para me fazer vencer qualquer dos eventuais problemas que se queiram vir deitar comigo!

Por isso, Vera, parece-me que fizeste bem em registar devidamente essas tuas primeiras experiências 'surfísticas'... de momento podem ser apenas uma recordação agradável, mas quem sabe se não te poderão um dia valer numa noite de insónia!

*
Pedro"

Em resposta ao Post da Vera no seu espaço Índigo, com a devida edição que se impunha, dada a hora a que foi feita.

3 comentários:

DC disse...

Mind surfing ...

Esta capacidade que temos de "fugir" na nossa cabeça, para o mar, para as ondas, vendo e revendo todos os momentos e imaginando outros desfechos. Tem a vantagem de na nossa cabeça, tudo ser sempre perfeito, mas tem uma grande desvantagem ... o realismo.

Anónimo disse...

O surf é, quanto a mim, meio desporto, meio contemplação. Se como desportista uma pessoa pode ser um pouco decepcionante, nada a impede de desfrutar da experiência contemplativa em pleno. É tipo veres o copo meio cheio...ainda que te tenha sabido a pouco.

tatiana disse...

''Hoje pela primeira vez, tive a sensação do que é dropar uma onda.
Pela primeira vez consegui fazer tudo no ‘timing’ certo.''


Fica bem.