terça-feira, 26 de maio de 2009

(S)Em Verdade Te Digo

Ilustração de Vera Costa
Começo-te por avisar, Caro Leitor, para que não acredites. Melhor, para que não busques, entre as linhas, aquela verdade crua que a lógica e a razão combinadas com as mais elementares leis da física atestam. Aqui é mais coração.

Aqui tudo é mentira. Mentira, e da boa. É a verdade potenciada.

"A malta que o conhece jura que o gajo não surfa um alho"- diz um acerca dos relatos em primeira pessoa do outro que os publica.

Pois não. É verdade. E é desta verdade que falo. Não presta. É supérflua. É mesquinha. Tem a relevância de um grão de areia num superbanco recém formado.

Numa peça de teatro que quer ter a prespectiva do técnico de luz? Só o próprio suponho. Eu não quero saber, pelo menos por agora enqunto me comovo, de que é de watts feita a aura que emana do vilão mesmo a tempo da sua redenção.

É o Romeu manco de uma perna e a Julieta carregadinha de borbulhas. É D. Sebastião morto em Alcácer Quibir e as manhãs de nevoeiro reduzidas a condição metereológica. É o profeta sem milagres e a morte sem Poesia. É a morte da Poesia.

É sair de uma sessão daquelas, peito feito, esperar pelos elogios mais que certos às duas últimas ondas observadas de fora pelo amigo que saiu mais cedo, já como o "Obrigado, pá..." debaixo da língua e ter de ouvir ao invés um :-"Se fizesses mais tal e coiso o surf saí-te mais tal e qual".

Arre gaita.
((Texto publicado na Free Surf Magazine))

1 comentário:

yes1 disse...
Este comentário foi removido por um administrador do blogue.