terça-feira, 6 de novembro de 2007

Menina Meu Mar

Fotografia de 1974, Abandoned Photo Museum


De forma intuitiva,

escudámos o nosso segredo

junto ao mar

e,

na pouca lógica que nos assiste,

isso teve algum sentido.



Já cansada de te debateres,

rendeste-te,

por fim,

ao meu colo

sossegada,

e o murmúrio das vagas,

também elas já esgotadas,

confortou-nos por momentos.


2 comentários:

Maria disse...

Ás vezes são os momentos que não nos dizem qualquer lógica, que nos dão maior vontade de repetir.

Parabéns pelo blog.

Pedro Ferro disse...

Concordo Maria.

Por vezes, qdo se ultrapassa essa barreira da coerência e do racional, podemos, realmente, ser tomados pelo assombro e pelo deslumbre... e sim, pode apetecer repetir...

... como se aliciados pela vertigem!