segunda-feira, 6 de agosto de 2007

O dia mais quente

Fotografia de Patrick Trefz

“(…)
Olha...
É como o verão
Quente o coração
Salta de repente
Para ver a menina que vem
Ela vem, sempre tem
Esse mar no olhar
(…)”

Caetano Veloso – Samba De Verão

Ao que consta hoje foi o dia mais quente do ano.

O relógio marca, neste momento, uns minutos depois da meia-noite e só agora se começa a sentir uma brisa mais fresca a correr.

Sinceramente sentia falta desta temperatura extrema, desta intensidade climática… Gosto quando o sol se faz sentir desta forma implacável e quando os termómetros sobem desta boa maneira. Fico estranhamente confortável nestes dias, como se o calor entranhasse e me aconchegasse por dentro. Já me perguntava quando iria aparecer um dia assim…

Tenho perfeita noção que não há muita gente a acompanhar-me neste género de desejos e que nestes dias só pensam em abrigar-se junto ao ar condicionado mais próximo, mas eu, pelo contrário, fico extasiado com estas noites quentes de Verão. Aproveito agora para estar junto à janela e usufruir destas primeiras brisas, quase carícias, que se me vêm oferecer.

Contraluz, Fotografia de Pedro Ferro, Arquivo Pessoal

Hoje também tive a oportunidade de surfar. Foi à hora de maior calor, um pouco depois da hora de almoço. As ondas não estavam nada de muito especial, meio metro nos sets, mas um pico muito bem definido e o inside com alguma parede onde dava para ganhar alguma velocidade extra.

Qualquer dia ainda terei de pesquisar e apurar se existe um qualquer tratado físico que me explique e elucide que estranho fenómeno é este do surf gerar este afrouxamento da força gravítica, de gerar tanta leveza… Saí do mar tão positivo, tão confortável… com a tal sensação de aconchego!

A esta hora ainda me sinto tomado por ambas as experiências, ainda tenho nos olhos a cor indefinida do mar algures no espectro entre o azul e o verde, ainda me sinto a arrancar no pico, a medir a parede e a linha a aplicar, ainda me sinto veloz… Sinto os braços a remar e sinto-me quente… e sinto-me estranhamente em equilíbrio!

30 de Julho de 2007

3 comentários:

vela ao vento disse...

Tudo o que falas por aqui, é simplesmente traduzido, no enorme prazer que é, Surfar.
É apenas isso, e nada mais, é isso que te faz entrar na água independentemente das condições que estiverem fora ou dentro do Mar, é essa vontade de te entranhares com ele que te dá esse sorriso, cada vez que apanhas essa brisa à janela.

Boas Ondas!

E meninos...Parabéns, vou aparecendo por aqui para ler as vossas aventuras e desventuras por estas ondas cybernéticas.

Até!

Maurio Borges disse...

Tempo bom com sol e calor por essas bandas, por aqui uma friaca danada. Isso sem falar na água pra lá de gelada, quase trincando! Retratos de um inverno pra lá de rigoroso...

Abração
Máurio Borges
Alohapaziada

Pedro Ferro disse...

Salvo erro, Maurio, tu és da zona de Santa Catarina, no Brasil, é isso? Tive de consultar a wikipedia p saber que lá, o Inverno, é mesmo rigoroso... e eu que pensava que era surf de calções todo o ano!

Abraço e vai aparecendo por cá!